Nutrição e saúde cerebral

memória 1Ao longo da vida e à medida que envelhecemos ocorrem diversas alterações neuronais que provocam a redução da atividade inerente a diversos processos cognitivos, sendo a memória um dos mais evidentes. A memória é uma função cerebral superior que se relaciona com a retenção e posterior recuperação de informações obtidas pela vivência de experiências. É um processo complexo muito importante que está na base da aprendizagem.

Apesar deste declínio ser natural, existe uma série de fatores que pode acelerar ou atrasar este processo. Na última década têm sido feitos inúmeros estudos científicos que comprovam os benefícios de alguns nutrientes e compostos bioativos na preservação e manutenção da saúde cerebral e há muito que se sabe que as carências nutricionais afetam negativamente a capacidade cognitiva, especialmente na infância.

Em termos genéricos, as dietas ricas em gorduras trans (alimentos processados) e saturadas (alimentos de origem animal) impactam negativamente a saúde cerebral, bem como o elavado consumo de açúcares simples e, embora ainda não exista um consenso sobre quais os alimentos que de facto interferem negativa ou positivamente na preservação da memória (e outras funções cerebrais), sabemos que existem nutrientes que exercem funções que são fundamentais para um bom estado de saúde cerebral, sendo por isso imprescindíveis para a manutenção de uma boa memória e, em última análise, para a preservação da mesma durante o maior período de tempo possível.Memória 2

Neste sentido, em épocas de maior exigência cognitiva ou como medida preventiva, consuma diariamente:

  • Vitamina C: laranja, kiwi, melão, pimento amarelo, entre outros;
  • Vitamina E: abacate, frutos secos, peixe gordo, entre outros;
  • Vitamina A e β-caroteno: cenoura, abóbora, tomate, batata-doce, brócolos e outros alimentos;
  • Ácido fólico (B9): levedura de cerveja, feijão, batata, lentilhas, entre outros;
  • Piridoxina (B6): carnes, banana, cereais integrais, sementes de sésamo, etc.;
  • Cobalamina (B12): carnes e vísceras, ovos, leite e outros alimentos de origem animal;
  • Ácidos gordos polinsaturados: frutos secos e sementes, peixes gordos, azeite, entre outros;
  • Ferro: carnes (especialmente borrego e porco), vísceras, feijão branco, cereais integrais, damascos, espinafres, etc.;
  • Boro: frutos secos, uvas, feijões, etc.;
  • Zinco: banana, brócolos, cereais integrais, soja, lentilhas carnes, marisco e chocolate, entre outros;
  • Água e chá verde.

Além da alimentação, ao longo da vida é importante manter um nível de atividade moderado, ter boas noites de sono, estimular o cérebro através de novas aprendizagens (instrumento musical, língua estrangeira, pintura, …), conviver, conhecer novos locais, povos e culturas, fazer exercícios de memorização, palavras cruzadas, sopa de letras, sudoku, etc.

Por: Sofia A. Rodrigues, Dietista e Coach Nutricional

A alimentação é o mais importante investimento em saúde! 

Créditos de imagem: google/images

Deixar uma resposta