Pizza saudável? Sim, é possível!

pizza espinafresA pizza é um dos alimentos mais apreciados em todo o mundo. É deliciosa, prática, saciante, pode ser servida quente ou fria, doce ou salgada e é personalizável. A sua única desvantagem é ser, normalmente, muito calórica. Algumas pizzas médias (1 a 2 px) chegam a atingir um total de 1200 a 1800 kcal o que, convenhamos, no âmbito de uma alimentação saudável e regrada, é um exagero. Temos motivos para dizer que “não há bela sem senão”.

O início da história da pizza não é consensual. Alguns historiadores afirmam que remonta à época dos egípcios e dos hebreus, há cerca de 6000 anos, onde relatos históricos falam do “pão de Abraão” ou “piscea”, um fino pedaço de massa (farinha com água) de aparência semelhante ao atual pão sírio. Outros dizem que a origem da pizza se encontra entre os gregos que produziam as suas massas com farinha de trigo, arroz ou grão de bico e depois as assavam em tijolos bem quentes.

Menos controversa é a crença de que, cerca do ano 300 a.C., os Fenícios teriam o hábito de comer pães com carne e cebola. Muito mais tarde, na Idade Média, observa-se este comportamento entre os turcos muçulmanos. Julga-se que a pizza chega ao porto de Nápoles através do intercâmbio cultural e comercial que ocorreu durante as Cruzadas.

Inicialmente, a pizza era apenas uma base de pão com ervas aromáticas e azeite. Com o advento do tomate, trazido da América pelos espanhóis, os Italianos acrescentam esta iguaria ao seu pão que, na época, era comido como o atual calzone, que consiste num disco de massa de pizza dobrado ao meio, com os ingredientes no interior, como um pastel. A piscea, massa acompanhada de toucinho, peixes fritos e queijo, foi durante muitos anos o alimento dos pobres do sul de Itália. Antica_Pizzeria_Port_AlbaA primeira pizzaria italiana, a Port’Alba, abre por volta de 1850 e rapidamente se tornou famosa, não só pelas deliciosas pizzas, mas também por ser ponto de encontro de inúmeros artistas, entre eles o escritor Alexandre Dumas.

E porque o mundo vive em constante mudança, hoje deixo aqui uma receita de pizza cuja base nada tem a ver com a original placa de farinha e água. Esta pizza continua a ser deliciosa, prática, saciante e altamente personalizável, podendo ser servida quente ou fria, doce ou salgada, diferenciando-se das pizzas tradicionais por ser muito, muito saudável. Experimentem, não se vão arrepender:

Ingredientes e preparação da base (4 px):

  • 300 g de couve flor, lavada e cortada aos pedaços
  • 100 g de queijo ralado
  • 1 ovo
  • sal, pimenta, alho em pó, erva aromática a gosto (coentros, cebolinho, salsa, …)

IMG_1811Triture a couve flor e coloque esta “massa” sobre um pano de algodão. Esprema muito bem, até sair o máximo de água que conseguir. Em seguida, misture a “massa” da couve flor bem espremida com o ovo, o queijo ralado, o sal, a pimenta, o alho e as ervas escolhidas. Mexa tudo muito bem até formar uma massa homogénea.

Forre um tabuleiro de forno com papel vegetal e deite o preparado anterior sobre o mesmo, espalhando bem até cobrir o tabuleiro por inteiro com uma fina camada (menos de 1 cm de espessura). Leve ao forno previamente aquecido e deixe assar durante 40 a 45 minutos (180º C).

Cobertura/recheio:

A cobertura da pizza pode ser feita de acordo com a imaginação e preferência individual ou familiar. Além do tradicional tomate e queijo, pode juntar frango, ovo, camarões, atum, fiambre, presunto, rúcula, espinafres, pesto, manjericão, cebola, pimentos, etc..

Quando a base acabar de assar, retire-a do forno e coloque a cobertura por cima. Volte a colocar o tabuleiro no forno por mais 10 a 15 minutos (até alourar). Está pronta a servir!

Pizza de salsichas de soja, pesto e azeitonas

Pizza de cogumelos frescos, queijo da ilha e tomate

 Melhor alimentação, mais saúde!

Por: Sofia A. Rodrigues, nutricionista

5 thoughts on “Pizza saudável? Sim, é possível!

  1. petitscoquelicots says:

    Parabéns pelo seu artigo. Gostei muito. Quanto à receita, pena que eu não goste de couve flor. Mesmo assim é sempre bom saber coisas novas. Não imaginava que se podia preparar uma base com tal legume.

Deixar uma resposta