Será mesmo importante tomar o pequeno-almoço?

pACada pessoa é uma combinação única de factores biológicos e ambientais que determinam as suas necessidades nutricionais específicas. Assim sendo, a prática clínica da nutrição só faz sentido se personalizada e adaptada aos contextos de cada um. Contudo, existem sugestões universais que podem e devem ser aplicadas à generalidade das populações. Entre essas sugestões de aplicação geral, destaca-se a necessidade de se tomar o pequeno-almoço, por ser uma das refeições mais importantes do dia. O elevado número de crianças e adultos que, por razões como a falta de tempo ou apetite, iniciam as suas atividades quotidianas em jejum, justifica a pertinência de relembrar a importância da primeira refeição do dia.

Todas as pessoas, de todas as idades, devem fazer do pequeno-almoço uma prioridade. É através da primeira refeição do dia que obtemos energia para acordar o metabolismo após um prolongado jejum e assim potenciar as capacidades físicas e intelectuais necessárias às atividades da manhã. Uma pessoa que não tome o pequeno-almoço não tem energia suficiente para se envolver em atividades escolares ou laborais e, a um défice da atividade cognitiva, podem aliar-se outros sintomas como um cansaço prolongado, sonolência constante, dores de cabeça, visão turva, irritação, humor instável, enjoos ou desmaios, entre outros. A par de uma boa noite de descanso, tomar o pequeno-almoço é um bom ponto de partida para um dia cheio de energia! Siga as seguintes sugestões para um pequeno almoço completo e nutritivo:

  • Tome o pequeno-almoço em casa. Com alguma organização, acordar 15 minutos mais cedo é o suficiente. Prepare o que puder na noite anterior;
  • Rejeite os cereais industriais à base de farinhas refinadas! Opte por cereais integrais em flocos simples ou em misturas tipo muesli ou granola. A aveia, a quinoa ou o centeio podem ser consumidos de diversas maneiras e são ricos em fibra, vitaminas, e minerais. Favorecem o trânsito intestinal e conferem uma sensação de saciedade e conforto. Além disso, são  económicos e podem ser personalizados ao gosto de cada elemento da família;
  • Aos cereais integrais pode adicionar laticínios magros ou meio gordos. Pode também optar por “iogurtes” de soja ou bebidas vegetais como de aveia, arroz, coco ou amêndoa. Se preferir as bebidas vegetais, leia os rótulos e escolha as de boa qualidade;
  • Pode substituir os cereais por pão, em bolinhas pequenas ou em fatias finas. Prefira o pão mais escuro e experimente pães de diferentes variedades como de centeio integral, alfarroba, castanha, batata doce ou milho. Para ter pão à disposição todas as manhãs, congele-o enquanto ainda estiver fresco;
  • Na primeira refeição do dia, é importante consumir regularmente alimentos com elevado teor proteico como ovos, carnes magras ou algas (aumentam a sensação de saciedade e ajudam a controlar a fome ao longo do dia);
  • Adapte o pequeno-almoço ao gosto de cada elemento da sua família: acrescente fruta fresca, frutos secos ou desidratados, especiarias, entre outros;
  • Evite alimentos como folhados, salgados, fritos, produtos de pastelaria com e sem creme e bebidas açucaradas.

5 sugestões para tomar um pequeno-almoço ideal:

Por: Sofia A. Rodrigues, nutricionista

One thought on “Será mesmo importante tomar o pequeno-almoço?

Deixar uma resposta