Obstipação: 5 passos para vencer este problema!

O sucesso do tratamento depende do correto diagnóstico

Muitas pessoas sofrem de problemas gastrointestinais e a obstipação é um dos mais comuns. A obstipação intestinal pode definir-se como uma dificuldade em eliminar fezes que se tornam ressecadas e endurecidas (frequência inferior a 3 vezes por semana).

Geralmente, a obstipação divide-se em: 1) Funcional, que se deve, principalmente, a erros alimentares, sedentarismo, má postura corporal, falta de hábitos de higiene de vida, entre outros; e 2) Orgânica, quando é sintoma de outra doença ou condição (alguns medicamentos, excesso de laxantes, hipotiroidismo, diabetes, Parkinson, entre outros).

nutriente secretoPor serem muito diversas as causas deste problema e pela individualidade bioquímica e metabólica que caracteriza cada indivíduo, pode dizer-se que não existe um padrão de funcionamento intestinal igual para todas as pessoas. Contudo, na ausência de outras causas capazes de explicar a dificuldade de evacuação fecal por um período superior a 3 dias, geralmente estamos perante um quadro de obstipação funcional devido a causas dietéticas e nutricionais com dois motivos muito comuns: a baixa ingestão de fibras alimentares e o reduzido consumo de líquidos.

A Organização Mundial de Saúde recomenda a ingestão diária de 25 a 30 g de fibra, quantidade facilmente alcançável com o consumo regular de frutas, vegetais, cereais integrais, grãos e sementes.

As fibras podem ser solúveis e insolúveis e apesar da sua ação nos intestinos ser diferente, ambas promovem a fluidez do trânsito intestinal.  O consumo de fibras é especialmente importante para quem sofre de obstipação, porque têm a função de aumentar o volume do bolo fecal, tornando-o maior, mais pastoso e mais fácil de eliminar (facilita os movimentos peristálticos). Contudo, para que o consumo de fibra seja benéfico, é importante que seja acompanhado pela ingestão de líquidos. As fibras aumentam de tamanho porque têm a capacidade de reter água nas suas estruturas, logo, se não houver líquidos disponíveis, não provocam o efeito desejado.

A par das causas dietéticas existem também outros fatores do estilo de vida que prejudicam a saúde dos intestinos, nomeadamente o sedentarismo. Uma caminhada diária de 30 a 45 minutos estimula o movimento intestinal e contribui para o bom funcionamento deste órgão. Convém salientar que os intestinos são a grande porta de entrada dos nutrientes no corpo, sendo, por isso, imprescindíveis para a manutenção da saúde de todos os outros órgãos e sistemas. Assim, se quiser melhorar a saúde dos seus intestinos e, por consequência, o seu bem-estar geral, siga estes conselhos:

  • Beba água ou infusões de ervas (mínimo diário 1,5 L);espargos
  • Aumente o consumo de prebióticos, ricos em fibra alimentar não digerível (a chicória, o alho, a cebola, o alho-francês, os espargos, as alcachofras, o tomate, as bananas, a aveia, as sementes de linhaça, etc…)
  • Aposte em alimentos probióticos, ou seja, ricos em microrganismos vivos, como os iogurtes, o kefir e outros alimentos fermentados;
  • Faça caminhadas, preferencialmente ao ar livre  (minimo 30 minutos);
  • Faça diariamente uma massagem abdominal: escolha uma posição confortável (sentado/a ou deitado/a e faça movimentos semi-circulares da direita para a esquerda, na região abaixo do umbigo. Vá pressionando e empurrando as fezes para o lado esquerdo em direção à virilha).

Por: Sofia A. Rodrigues, nutricionista

Deixar uma resposta